Páginas

sábado, 25 de julho de 2009

DO JECA A JEQUICE!


Adoro Heitor Villas Lobos, quando ouço a musica “trenzinho Caipira”,ele faz do caipira um ser tão poético e de uma maneira tão singular, que nos remete ao movimento dos trens que existiam em minas que levava um menino a buscar um grande conhecimento!
O Inverno Cultural de cangereyok tinha este objetivo, assim como o menino caipira buscando o conhecimento, ele podia fazer o movimento do trem sem se preocupar com mais nada, porque no fim do dia ele tinha a expectativa de encontrar um grande e maravilhoso espetáculo.
Cangereyork lançou esta semana o seu 1º Festval cultural, que foge completamente dos princípios básicos do Inverno Cultural, que era: Educar e levar as pessoas e interagir e integrar-se a outras culturas. Podendo ver no grande palco instalado na praça, uma copia muito da infiel do 1º cangere fest! Trazendo bandas de raiz, musica sertaneja aos montes (não sei como as pessoas agüentam tanto ritmo de capim gordura), só faltando o pula fogueira Iaia pula fogueira Ioio.
Mas o pior é que os novos organizadores colocaram a cultura regionalista, as quais convivem diariamente, esquecendo do compromisso de mostrar que ser mineiro não é ser “caipirista” aquele que fala errado, que não tem conhecimento e que não anseia por novos horizontes! Este caipira é o Jeca tatu uma literatura “lobatiana”, tão deprimente, por motivos simples por ser um caipira passivo, não se preocupar com nada nem com a própria saúde!
Mas até este caipira de lobato, deu a volta por cima e conseguiu se refazer e se tornar um grande homem!
Bom! Mas voltando ao conteúdo das apresentações do festival, podiam se ver catiras e catireiros, as Folias de Reis encima do palco, aprendam que congadas e folias de reis existem e fazem parte da cultura nacional, e que é feito na rua, no chão, isto, em forma de cortejo, e não restrito a um palco, porque fica desorganizado e sem estética alguma.
E ai começa uma performance de personagens vestidas de senhoras, andando pela praça e fazendo alguns comentários, tentando interagir o publico com o que estava acontecendo, mas eles por sua vez não entendiam nada, porque nem os próprios atores sabiam a que destino e a que se destinava tanta improvisação. Faltando iluminação, direção contextualidade, enfim tudo! Aprendam que tudo que ali foi feito, são coisas que nunca e nem podem acontecer em um teatro e muito menos em performance de improvisação, pois fica poluído e sem ritmo, tornando uma bizarrice.
Tenho certeza que Dionísio ontem deve ter pedido ajuda a Zeus, por presenciar tanto destempero de jecas que gostam de se portar como tal, e imbuir isto na população, que eles não passam de jecas compactuando com este estado de espírito de”jequice”.
Basta! Já chega a rede globo fazer as suas novelas caricatas de mineiros estereotipados, e falando arrastado, agora eu tenho que ver isso vomitado em praça publica como se fosse à coisa mais natural do mundo? Nem pensar acho que a inteligência dos cangereyorkanos e bem mais do que isso.
O mais triste é ver que os homenageados, não tiveram seu lugar de destaque, afinal quem é o homenageado? Augusto Pereira (maestro) ou José Maria Rabelo? Onde se encontra exposto o material de ilustres cangereyorkanos? Será que tem material? Afinal homenagem às pessoas não conhecidas demanda um acervo de trabalhos realizados pelos tais.
Outra coisa irritante, é que se o festival é cultural porque a Hebe Camargo ainda continua no palco falando errado? Falando as atrocidades e acabando assim com a língua portuguesa?
E a DD primeira dama estava tão elegante no primeiro dia, porque resolveu participar daquela performance do jeca? Ah coisas que nem precisamos comentar... e me recuso, cansei de falar a que se destina a sua função!
Como diria o sábio e velho Guerreiro: “Quem não se comunica se estrumbica”! Aprender não custa nada, não paga imposto e não cobra pedágio, então aprenda e da próxima vez me mostre algo de qualidade!

4 comentários:

Ligia disse...

E, vamos combinar, que o cartaz de divulgação foi de mau gosto!

Luiz Carlos disse...

kkkkkkkkkkkkk adorooooooooooooooooo!!!!

karina disse...

Você é uma pessoa muito inteligente, com um senso crítico fabuloso, enfim, hilário, culto, maravilhoso, é Tudo!!!!!! Bjos...

Múltiplas Linguagens disse...

Não participei do evento, mas ao ler o texto deu para notar que minha visão sobre o "ser mineiro" é tido realmente como caipira por toda parte... o que é uma pena!